Rouba, mas reforma

Quando veio à tona a delação dos irmãos Batista, o país entrou em ebulição. Não poderia ser diferente: o presidente em exercício e um dos favoritos para exercer o cargo, entre 2019 e 2026, foram flagrados negociando e recebendo propina.

Mas o Brasil dá voltas em torno do óbvio: apressadamente, um dos principais jornais do país publicou uma perícia, descuidada e inepta, questionando parte da prova. Defensores da esquerda se insurgiram: “Isso sim é uma delação com prova”. Os adversários retrucaram: “Essa delação é para proteger o maior líder da corrupção do país”. Os corruptos, de todos os partidos, sorriram e gostaram do que viram: teses defensivas gestadas antes da primeira reunião com o advogado e o marqueteiro, nem sempre nessa ordem.

Junto com parte da sociedade que se perde em discussões estéreis como “a medida de quem é mais corrupto”, surgiram formadores de opinião, editoriais, ministro, lideranças políticas e econômicas (inclusive o pato amarelo) na defesa de que o melhor para o país é a continuidade do presidente denunciado e das reformas.

Está aí a nossa modernização: “rouba, mas reforma”. O mundo entrou na era da pós-verdade. O Brasil, sempre à frente, chegou à pós-dignidade.

A Lava-Jato colocou, nos últimos três anos, os brasileiros frente aos corruptos. Hoje mudou: ela nos coloca frente a nós mesmos, e precisamos decidir o que seremos nas próximas décadas.

A operação mostrou, em áudio e vídeo, que a corrupção está em todos os partidos. Misturar o combate à corrupção com nossas preferências políticas acaba com o país. Os corruptos agora gargalham. Precisamos construir um espaço político livre das práticas ilícitas para chegar a uma representatividade verdadeira.

Há algum país do mundo democrático que se desenvolveu sem bons políticos de esquerda, centro e direita? Com tanta corrupção, nenhum.

Os corruptos, mais ferrenhos adversários políticos, sempre mantiveram um liame mínimo de cumplicidade: são unidos contra qualquer medida de combate à corrupção. Veja o caso do projeto das Dez Medidas rejeitado na madrugada por todos os setores de esquerda e direita. Veja como inimigos são eficientes testemunhas de defesa nos processos da Lava-Jato.

Os corruptos já aprenderam que, apesar de todas as disputas pelo poder, deve haver sempre união contra a moralidade. É o que lhes garante a sobrevivência e mata o Brasil.

E a sociedade? Quando se unirá para salvar o país? Conseguirá censurar a corrupção sem qualquer seletividade? Perceberá a tempo que também precisa ter uma pauta uniforme e ampla contra o desvio de dinheiro público?

Punir e censurar os políticos corruptos favoritos dos nossos adversários e minimizar as provas e a gravidade dos fatos envolvendo aqueles que rodeiam nossas ideias políticas terá uma consequências apenas: o Brasil de nossos filhos continuará condenado à miséria, à insegurança e ao subdesenvolvimento por décadas e teremos de esperar uma nova Lava-Jato para que nossos descendentes possam tentar, mais uma vez, iniciar o resgate da dignidade e a construção de um país rico e próspero.

O Brasil sem a população nas ruas é um grande TSE.

Daniel César Azeredo Avelino é procurador da República

Artigo originalmente publicado no site no jornal O Globo.


Imprimir   Email