Em obra, procurador da República faz relação entre criptomoedas e os crimes de lavagem de dinheiro

Preocupado com o uso das criptomoedas como meio de cometer crimes, o procurador da República Thiago Augusto Bueno lançou o livro "Bitcoin e crimes de lavagem de dinheiro". A obra é uma versão ampliada da dissertação de mestrado do autor na Universidade Católica de Brasília.

Bacharel em direito e especialista em direito público, Thiago Augusto Bueno também é mestre em direito pela Universidade Católica de Brasília. Foi escrevente técnico-judiciário na comarca de São João da Boa Vista (SP), analista judiciário da Justiça Federal na mesma cidade e promotor de Justiça substituto em Mato Grosso do Sul. No Ministério Público Federal, está lotado na Procuradoria da República no Amazonas.

"Trata-se de uma primorosa obra de doutrina jurídica. Bueno soube somar a um competente tratamento jurídico do seu tema a uma igualmente competente explanação dos aspectos técnicos e econômicos relacionados à problemática da utilização dos chamados criptoativos – em especial, o bitcoin – nos crimes de lavagem de dinheiro", escreveu o professor Júlio César de Aguiar, orientador do autor no mestrado. No livro, o procurador usa uma linguagem compreensível por se tratar de um tema bastante técnico.

A obra pode ser adquirida no site da editora Contemplar


Imprimir   Email